A vida vai te mostrar, vai te guiar.

Hoje, ao visitar o blog do Marques, deparei-me com um poema encantador sobre saudades da terra natal (http://blogdojosemarques.wordpress.com/2011/03/28/preciso-da-minha-terra/).

E, lembrei-me de um poema que já havia feito em 2010 sobre as impressões, sensações, sentimentos sobre minha terra natal, da qual estou distante desde 2008. Tenho muito orgulho de onde sou e apesar da despedida ter sido dolorosa, da distância ser parte da minha vida, concluo que tive que sair de minha terra pra progredir, pra seguir minha vida com minhas próprias pernas, abrir meus caminhos e cavar minhas oportunidades, tomando minhas decisões sem a interferência e opinião de ninguém. Esta viagem foi até certo ponto cruel, mas extremamente necessária, salutar.

Hoje, consigo ver o quanto fui corajosa, o quanto arrisquei, o quanto esta mudança alterou minha maneira de ser e de ver a vida e as pessoas. Tornei-me melhor! Sou muito feliz e realizada por isto ter acontecido e agradecida por Deus ter me concedido esta rica e linda oportunidade.

Mas, posso estar onde estiver, ir pra onde for, jamais esquecerei minhas raízes, minha essência, minha base. E se hoje, tenho valores tão reais, tão ricos, é porque tenho origem, tenho berço, tenho família. E sei que não serão perdidos passe o tempo que for.

Ventos de meu passado

 

Voltei…Estive lá…

Era como uma folha sendo levada pelo vento

Sendo empurrada por uma força que não era a minha

Retornando a lugares que eram parte de minha existência

De uma parte do que minha vida significa

Estranho!

 

Sentia que não fazia mais parte

Lá não era mais visto como um lugar que proporcionava conforto

Não me reconhecia lá

Um vazio…oco…sem dor

Não foi horrível, não era negativo

Mas…estranho!

Como astronauta flutuando no espaço

Como uma jangada no mar

 

Contudo, lá está minha raiz, minha base

E consigo, de longe, sentir seu cheiro, reconhecer os rostos e lembrar dos momentos

E…

Guardar dentro de mim estas sensações tão familiares, tão minhas

 

Mas sei que minha vida agora é aqui

Só pode ser assim

Desapegar-se é necessário

Para que outras vidas, outras sensações, outras dores, outros sabores

Tomem conta de mim

Invadam-me para que eu passe a fazer parte de onde estou

 

Gislaine Migliati – 13/01/2010

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Nuvem de tags

%d blogueiros gostam disto: