A vida vai te mostrar, vai te guiar.

Num dia desses, estava eu no fórum, aguardando uma audiência. Estava marcada para às 14:30h, no setor de conciliação.

Cheguei antes do horários, assim como minha cliente.

É normal haver um atraso ou outro. Porém, neste dia, com um atraso de mais ou menos uns 40 minutos. Percebo que o nome chamado pela conciliadora foi a da pessoa da audiência seguinte da minha às 15h. Como sempre faço, leio a pauta e fico alerta quanto ao chamado das partes.

Imediatamente, dirigi-me aos bureau e perguntei o que poderia ter ocorrido, mas a pessoa não soube me dizer, e me orientou a extrair informações dentro da própria sala onde estava ocorrendo esta outra audiência.

Bati à porta e quando adentrei à sala, estavam os conciliadores, o advogado e as partes. E perguntei o por que a audiência seguinte a minha estava ocorrendo primeiro. Ficaram todos se olhando, sem falar nada e assustados. Então, o advogado, resolveu se manifestar e disse:

-Dra. é uma questão de prioridade!

Quando o advogado assim se justificou, passei meu olhar rapidamente pela pequena sala, e não vi nenhum indivíduo que merecesse atendimento prioritário, por exemplo, uma gestante, um idoso. Assim que fiz minha análise, disparei:

-Dr. não vejo qualquer pessoa nesta sala que se encontre nestas condições e que mereça atendimento prioritário.

Já bem sem graça, continuou o advogado:

-Dra. é que a filha de minha cliente está no hospital para dar à luz, e ela está aflita pela filha.

No mesmo momento, eu perguntei, bem cinicamente (c0nfesso):

– Mas, sua cliente é a parteira? ela que fará o parto da filha?

Daí em diante, não houve mais nenhuma palavra. Por parte de ninguém! E exigi que registrassem a audiência de minha cliente, que não havia tido sorte quanto á citação da outra parte.

Fiquei imensamente revoltada. Pois se eu não estivesse lá, minha cliente, por ser pessoa simples, não teria nem percebido a artimanha.

Enquanto eu praguejava, apareceu uma conciliadora, e como as audiências da sala dela haviam acabado, gentilmente, realizou a minha.

Quero deixar claro algumas coisas em relação a este lamentável fato:

a) o advogado se dar ao papel de uma justificativa cretina desta! Que vergonha!;

b) se ocorreu a audiência, foi porque o advogado pediu e o setor de conciliação permitiu. O que também não tem justificativa;

c) se fosse o caso de prioridade, seria de bom tom que avisasse a mim ou minha cliente sobre o que estava ocorrendo;

Ninguém me justificou o ocorrido ou veio se desculpar, pelo menos. Nada mesmo. Foi um total desrespeito, descaso, irresponsabilidade! Inadmissível o advogado se prestar a um papel deste, sem o menor cuidado!

E pra concluir, quando saimos todos de nossas, respectivas, salas, estavam lá o advogado com sua cliente, rindo, caminhando calmamente pelo fórum e aliviados. Não me contive e fui dizendo umas “gracinhas” nem tão engraçadas assim!

Anúncios

Comentários em: "Questão de prioridade?" (5)

  1. É o velho jeitinho brasileiro. Quantos não aumentam o índice de natalidade ou matam pai e mãe para dar esse jeitinho? Parabéns pelo post, “fessora”!

  2. geovan vicente disse:

    DE ALAGOAS E SENDO ADVOGADO JUNTO COM O JUDICIARIO, ISSO É POUCO PARA FOME E MISERIA QUE É O NOSSO ESTADO. FALTA MESMO É VERGONHA NA SOCIEDADE ALAGOANA…

  3. […] Questão de prioridade? […]

  4. Como disse João Abílio, é o velho jeitinho brasileiro imperando aí.

  5. Stephanye Kelly disse:

    Sou fã da Giih kkkk ❤

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Nuvem de tags

%d blogueiros gostam disto: